segunda-feira, 12 de julho de 2010

Nova ZX-14: mais Ninja do que nunca!

---------------------------------------------------
Injeção digital, freios ABS, cores exclusivas e... mais Ninja do que nunca! Assim surge a nova Kawasaki ZX-14, uma 1400 cc de tirar o fôlego de qualquer racing-biker.
A nova ZX-14 tem lançamento marcado no Brasil para o segundo semestre e com mercado e preço compatíveis com o da Suzuki Hayabusa, sua maior concorrente. O valor desta está estimado em R$ 61.200,00 contra os R$ 61.990,00 sugeridos pela Kawasaki.



A Kawasaki tem investido em lançamentos de uns tempos pra cá e, especialmente, tem os trazido para terras tupiniquins, já que o nosso mercado de esportivas tem crescido vertiginosamente. Além de ter trazido a Ninja 250 e enchido os olhos de fãs das 1100 cc, a marca trouxe também a ER-6n, de 600 cc, querendo abocanhar o nicho de motociclistas que desejam partir para as médias e altas cilindradas. Depois, trouxe a ZX-6R, também do mesmo porte, e a ZX-10R, uma superbike de 1000 cc.



Pura Potência
Essa nova hiperesportiva da Kawasaki possui injeção digital (DFI), ou seja, cada pingo de combustível é minuciosamente controlado por um micro-chip, que não deixa passar nem mais, nem menos do que o necessário para determinada velocidade. Em resposta, o piloto tem mais potência e mais economia.
A ZX-14 ultrapassa os 300 km/h e deixa suas irmãs a ver britinhas. Seu motor de quatro cilindros possui nada menos que 1352 cm³, desenvolvendo 193 cv a 9.500 rpm. Devido ao sistema de indução de ar, o motor da ZX-14 ainda ganha mais 10 cv em altas velocidades, alcançando invejáveis 203 cv de potência máxima. Tem torque máximo de 15,7 kgfm a 7.500 rpm, o que é de arrepiar qualquer piloto. Só para efeito de comparação, segundo o fabricante, em uma prova de arrancada, é possível deixar uma Ferrari Enzo levando britinhas no capô.





Estrutura
O quadro é feito em alumínio, a suspensão dianteira é invertida e tem tubos de 43 mm com 116,8 mm de curso. Na traseira, o curso do monoamortecedor é de 121,9 mm. O painel em LCD tem indicador de marchas e até shift-light, além de computador de bordo, com marcadores analógicos de velocidades em milhas e quilômetros por hora, bem como o conta-giros. Na hora de parar o conjunto, os freios são a disco com pinça radial: na dianteira um duplo disco de 310 mm e um disco simples de 250 mm na traseira fecha o pacote. Se isso não bastasse, a ZX-14 ainda conta com sistema antitravamento, ABS.



As cores do modelo 2010 são exclusivas: Metallic Spark Black (dourado e preto) e Candy Persymmon Red (vermelho).
Tudo nesta moto foi desenhado para cortar o vento com a maior precisão possível, eliminando ao máximo a resistência do ar. Com essa estrutura é que a ZX-14 consegue alguns quilômetros a mais, bom, sem falar de sua já famosíssima marca Kawasaki, que poderia muito bem ser traduzida para Velocidade.
Um detalhe chama a atenção: é possível, assim como na Hayabusa, cobrir ou descobrir o banco do passageiro com uma tampa apropriada. Com essa tampa, a moto assume um ar de monoposto, onde somente o piloto tem vez. Essa é sua cara mais esportiva, mas, ao garupa, a moto oferece conforto, tanto em perímetro urbano, como na estrada.





Com certeza, é uma máquina que fará muitos corações brasileiros baterem mais rápido, de tanta adrenalina. Muito cuidado, porém, deve-se ter, primeiro, devido à quantidade de motoristas "mais ou menos" que temos nas ruas e, segundo, justamente por causa do asfalto de má qualidade que insiste em cobrir as estradas brasileiras. Tomando-se esses cuidados, o resto deixa que o vento faz.

Fotos: Divulgação
Fonte: UOL

Nenhum comentário: