terça-feira, 12 de novembro de 2013

NC750X e NC750S - novas apostas da Honda

Na Europa, a Honda NC700X foi um grande sucesso de vendas, desde seu lançamento pós-EICMA 2011 (Salão de Milão daquele ano). Mérito próprio, claro, já que a moto, além do novo conceito empregado, preenchia uma lacuna das motos do tipo crossover com cilindrada média-alta.

Mas, no Brasil, a história foi diferente, pelo que sabemos e vemos nas ruas. A moto foi, inicialmente, bem recebida, mas, devido ao seu preço e a alguns detalhes que o brasileiro não curtiu muito - como o tanque ficar embaixo do banco, por exemplo -, não teve lá aquela saída.
Mesmo assim, a Honda apresentou, no último Salão de Milão, as novas versões provenientes do conceito NC: a 750X e a 750S. Vamos ver um pouco de cada uma, que já estarão rodando no mercado europeu e norte-americano em 2014. Em breve, nas terras tupiniquins.


NC750X
A mudança mais significativa, sem dúvida, foi o aumento de 50 cc no motor da NC. A nova versão conta, agora, com 745 cm3, produzindo 55 cv a 6250 rpm e torque de 6,93 kgf-m a 4750 rpm - respectivamente, aumento de 2,5 cv e 0,5 kfg-m em relação à antecessora. Mas, o que é melhor, é que a nova versão promete ser um pouco mais econômica do que a do motor de 700 cc. Conta com um motor SOHC de 8 válvulas e refrigerado a líquido.

Outra grande mudança está no balanceador extra do motor e o sistema de escape, que ficou mais silencioso. Devido, também, à modificação das caixas de engrenagem (as duas versões possuem 6 marchas), que ficaram mais altas do que na versão anterior, incrementa algo como 12 km/h na velocidade final. Um expressivo ganho, sem dúvida.
Com capacidade no tanque para 14,1 litros, a NC750X - bem como a versão "S" - tem autonomia para 407,5 km, o que a torna perfeita também para viagens longas.

NC750S
Basicamente, as duas são muito parecidas, mas nos detalhes é que encontramos as diferenças. A capacidade do cárter da versão "X" é de 3,7 litros, enquanto que na "S" é de 4,1 litros. A embreagem da versão "X" é do tipo multi-disco banhado a óleo e na outra, é úmido, duplo e banhado a óleo. Na versão "S", o câmbio é do tipo DCT, enquanto que na versão "X" esse tipo de câmbio é opcional.
Apesar das opções de câmbio manual e automático, a NC750S apresenta dois modos de pilotagem - (D) "Drive" e (S) "Sport".
As alturas do assento também se diferenciam nos dois modelos apresentados pela Honda. Na versão "X", o assento está a 83 cm do chão e, na versão "S", a 79 cm. A altura mínima, em relação ao solo, da versão "X" é de 16,5 cm e, da versão "S", 14 cm.
Há pequenas diferenças, também, na suspensão destes modelos, mas, mais em relação ao curso dos mesmos, pois o tipo de suspensão, tanto dianteira quanto traseira, é o mesmo. Ambas usam, na dianteira, garfos telescópicos de 41 mm, contudo, com curso de eixo de 153,5 mm na versão "X" e 120 mm na versão "S". Já a suspensão traseira é do tipo monochoque Pro-Link, com 150 mm de eixo na "X" e 120 mm na "S".

Ambas as motos utilizam freios ABS de 2 canais, o que garante uma ótima segurança nas frenagens. Seus painéis de instrumentos são completos, sendo que na versão "S" o condutor ainda conta com um indicador de temperatura do motor, caso esta ultrapasse os limites.

Preço
Quanto a valores, ainda não se pode afirmar nada. Mas, conforme andam as coisas aqui nessa "terra de ninguém", posso arriscar algo como 31 mil para a versão "S" e 32,5 mil para a versão "X". E você, o que acha?


10 comentários:

Anônimo disse...

É caro ainda , se pensarmos que uma Triumph Tiger 800 que muito mais moto custa 39.900,00. Essa NC750 não deveria passar dos 29.000,00.

Josef Bruno Schlittenbauer disse...

Será quando que deve chegar a nova motorização da NCx? Assim tão rápido quanto o novo modelo da CB 500F, praticamente um mês depois de apresentada...

Alex disse...

Se a NC750X chegar ao Brasil a 700X sai de produção aqui? Na Europa os dois modelos podem conviver pois atendem a classes de habilitação diferentes.

Herculano Santos disse...

A honda do brasil desrespeita os comsumidores.passam um ano e ja tira moto de linha.caso da cbr 250.crf250.nxr 150 que durou de 2004 a2005.fan 150 2009 a 2010
Todos esses casos ao fazem piorar a procura de peças fazendo o consumidor de otario

Anônimo disse...

Concordo com Herculano Santo, moto fora de linha, e não há peças no mercado, pois a moto é difícil de vender.

Geraldo Folgado disse...

Só faltou um para-lama traseiro em ambas as motos! mas no mais adorei as duas, assim que chegar por aqui vou adquirir uma.

Anderson Zamberlan disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

abriram a parede do cilindro e afinaram a parede do bloco do motor....aqui ninguem vai de 700 sabendo da 750...

Anônimo disse...

Comprei um para lama na internet por R$ 160..Ficou xol

Anônimo disse...

Poderia vir a versão automática para o Brasil tbm já q eles querem sempre se igualar a Europa...