quarta-feira, 9 de setembro de 2015

COMPARATIVO: HONDA GOLDWING 1800 x SUZUKI BOULEVARD M1800R



E aí, pessoal? Tudo 100%? 

Então, essa postagem traz um comparativo com duas das maiores motocicletas do mundo, comercialmente falando. Vamos conhecer um pouco mais sobre as cruisers Suzuki Boulevard M1800R Boss em comparação com a Honda GL 1800 F6B Goldwing. A F6B, apesar de rara no Brasil, foi a escolhida por ser mais parecida em estilo com a Boulevard, mais jovem e despojado, além do motor com tamanho bem aproximado.

Uma M1800R descansando à sombra. :) Que belezura, não?


Sem dúvida, trata-se de duas motos customs para pessoas com poder aquisitivo melhorado, pois, além dos seus preços, há também a manutenção, que pode ser comparada à de carros importados.

Motor


A Boulevard M1800R possui motor DOHC 4 tempos, bicilíndrico com 8 válvulas e refrigerado a líquido. São 1.783 cilindradas e 125 hp a 6.200 rpm, que geram um torque máximo de 16,31 kgmf a 3.200 rpm. 
A Boulevard conta com sistema de lubrificação do tipo cárter seco, que é o tipo de lubrificação que ocorre exclusivamente por pressão em suas peças móveis. O câmbio possui 5 velocidades e seu sistema de partida é elétrico e sua injeção e ignição são eletrônicas. 




Já a Honda Goldwing F6B possui motor OHC, 4 tempos, com 6 cilindros (!) e com refrigeração também líquida. São, na verdade, 1.832 cc produzindo 118 cv a 5.500 rpm e 17 kgmf a 4.000 rpm. Um motor mais forte, mas que seria deixado para trás pela da Suzuki. A M1800R pode alcançar tranquilamente os 235 km/h, enquanto a F6B, uns 230 km/h, devido até mesmo seu peso, cerca de 40 kg a mais. Evidentemente, tais dados são questionáveis, já que a prática poderia mostrar outros resultados.



Suspensão e Freios


Quanto a suspensão dianteira, a Boulevard conta com suspensão dianteira do tipo telescópica invertida de amortecimento hidráulico e mola helicoidal. A traseira é do tipo balança articulada, tipo link de monoamortecimento hidráulico e mola helicoidal. Ambos os freios são do tipo disco ventilado, sendo que o dianteiro é duplo.

A suspensão dianteira da Goldwing é do tipo garfo telescópico de 140 mm, o que já lhe confere um ótimo posicionamento e equilíbrio, devido ao tamanho da moto. A traseira possui amortecimento ProLink co ProArm de 105 mm, que proporciona segurança e conforto incontestáveis. O freio dianteiro é a disco duplo flutuante, D-CBS e ABS, com diâmetro de 296 mm. O traseiro é do mesmo tipo, porém, com diâmetro de 316 mm.


Pesos & Medidas


Quando você se depara com essas duas motos ao mesmo tempo, vê que a Honda tem mais porte, até mesmo pelo seu sistema de carenagens, que é mais robusto. Mas, tecnicamente, as medidas confirmam uma diferença considerada pequena entre a maioria das propriedades. Veja:

BOULEVARD M1800R                                                       HONDA GOLDWING F6B

347 kgPeso387 kg
2.480 mmComprimento Total2.629 mm
875 mmLargura Total945 mm
1.113 mmAltura Total1.455 mm
1.710 mmDistância entre eixos1.690 mm
130 mmDistância do solo125 mm
705 mmAltura do Assento740 mm
130/70 R18 M/C (63V), sem câmaraPneu DianteiroRadial, sem câmara. 130/70R 18M/C (63H) BRIDGESTONE G709 RADIAL
240/40 R18 M/C (79V), sem câmaraPneu TraseiroRadial, sem câmara. 180/60R 16M/C (74H) BRIDGESTONE G704 RADIAL
19,5 litrosCapacidade do tanque25,5 litros
3,6 litros (com troca de filtro)Óleo do MotorApós desmontagem 4,6 litros, Após troca do filtro de óleo 3,7 litros, Após drenagem 3,6 litros
Painel "pelado", mas completinho, da Boulevard.



Painel super-mega-ultra-simples da F6B. :)

Preço

Sem sombra de dúvida, a Suzuki Boulevard leva vantagem sobre o preço. Enquanto a Honda comercializa sua cruiser (mas, que cruiser!) por cerca de 92 mil reais, a Suzuki te dá uma Boulevard por meros 55.000 - em ambos os casos, não estou contando com descontos, nem com taxas disso e aquilo, geralmente encontradas pelas revendas e financeiras. 

De qualquer forma, se viajar de moto já é bom, sobre essas Gran-Turismos é ainda mais satisfatório, tamanho o conforto. É bom salientar que o modelo F6B foi lançado para comemorar os 40 anos da GoldWing, em 2014.


Motoabraço e tudo de bom pra vocês!



O QUE CAUSA O "COICE" NA PARTIDA?

Bom dia, galera gente boa!

Estou perto de completar mais um ano de vida, portanto, essa semana está sendo especial pra mim. Não sei porque, já que estamos enfrentando uma das maiores crises financeiras que esse país já passou, e não vou poder pegar a estrada. Shit! Mas, tudo bem. C'est la vie.



Bom, o post de agora nada tem a ver com meu aniversário, mas poderá te deixar mais contente, pois o objetivo é tentar ajudá-lo(a) a não receber mais "coices" quando vai dar partida via pedal. Esses coices, ou retrocessos, são causados por problemas na ignição.

A força reversa do pedal de partida, aquela que leva seu joelho diretamente para a ponta do guidão, ocorre quando a energia de mistura do combustível é maior que a força engendrada pelo piloto, o que faz com que o pistão volte na direção contrária e provoque essa força reversa. Uma coisa levando à outra. E, quanto maior o motor, mais forte será a pancada, o que pode levar o piloto a sofrer ferimentos mais sérios.

São dois os principais motivos da reversão: 1. Ignição pode estar mal regulada ou solta; e 2. Chaveta da ignição pode estar deslocada.

Modelo de chaveta de virabrequim da YBR.


Para verificar o ponto de ignição, deve-se remover o rotor. O ponto está ok, se a marca na base da ignição estiver alinhada com a marca no cárter. Por outro lado, se deslocada, a chaveta de ignição pode alterar o momento de ignição, e seus cantos não podem estar desgastados, ou seja, com suas bordas redondas. Esses problemas geralmente originam-se no eixo do virabrequim, ou na cavidade do rotor, impedindo seu perfeito encaixe no primeiro. Com uma boa lixa (200 ou maior), é possível lapidar as válvulas para garantir o encaixe dos componentes e evitar problemas com a chaveta. Contudo, o mais aconselhável é que você procure um bom mecânico pra fazer isso por você.

Motoabraço e boa sorte.